Alunos do Colégio Vianna Júnior na 1ª Bienal do Livro em Juiz de Fora

bienal

Alunos do 5º ao 9° ano do Colégio Vianna Júnior visitaram nas manhãs destas quarta e quinta-feira, 15 e 16, a 1ª Bienal do Livro em Juiz de Fora. Milhares de obras estavam disponíveis nos stands. Segundo Marcelle Larcher, Assessora Psico-Pedagógica Institucional, a atividade pedagógica buscou incentivar a formação leitora: “Este contato estimula o aluno a entrar neste mundo da criatividade, da imaginação e a ter um novo olhar em relação à leitura”.

Os estudantes leram e adquiriram livros com títulos de seus interesses. O ambiente estava envolvente e chamou a atenção de todos que, com entusiasmo, apreciaram o acervo oferecido. Raphaela Sereno Rooke comprou o livro “O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares”.  A aluna do 8° ano, que estava procurando o livro há algum tempo, ficou feliz: “Estava apreensiva para ler esse livro. Amo ler. Principalmente os de terror, como este”.

Aline Firjam, produtora do evento, destacou a importância da iniciativa do Colégio Vianna Júnior em levar seus alunos: “Estamos surpresos com esse movimento, com essa aceitação por parte dos colégios e vê-los, desde novos, lendo e pegando nos livros. É gratificante”.

Neste tipo de evento, os alunos adquirem mais cultura e conhecimento, mas o principal é a aquisição de valores, afirma Marcelle: “Esta questão de princípios tem tudo a ver com o projeto Líder de Mim, implantado no Colégio Vianna Júnior, que faz com a criança tenha a ideia de que a educação ultrapassa a sala de aula e o material didático. Nós pensamos que a educação vai além, por isso trabalhamos com habilidades socioemocionais dos alunos”.

Os livros de interesses entre os alunos variaram e surpreenderam. Rodrigo Ribeiro Rezende do 7° ano comprou uma obra sobre mágina: “Eu olhei para o livro e gostei. A interatividade sempre desperta minha leitura”.

Para Carla Moutinho, supervisora da Educação Infantil e Fundamental I, a reação dos alunos foi surpreendente. “Eles conversaram com os responsáveis pelas vendas dos livros, tiraram dúvidas e adquiriram livros. Na volta para o Colégio estavam todos encantados”.

Joséli Rezende Tomaz, professora de Português do Colégio Vianna Júnior, afirma que eventos como esse devem ser propagados: “É necessário divulgarmos e acompanharmos, enquanto professores, para que os alunos familiarizem com a cultura”.

As estudantes do 7° ano, Letícia Bittencourt e Jéssica Esteves, consideraram a visita uma atividade diferenciada: “Hoje saímos da rotina. Foi muito prazeroso e divertido conhecer novos livros e autores. Foi uma ótima experiência”.

Para Flávia Tostes, Supervisora do Fundamental II, foi gratificante ver os alunos manuseando os livros, diante da atual realidade, que é a do interesse por imagens e internet: “A proposta de trazê-los à Bienal é justamente mostrar o outro lado da cultura e aproximá-los de diversos títulos e autores. E, além disso, estar junto com a turma deles é um diferencial pela troca de informações. Eles escolhem os livros e discutem”.

Os alunos não só escolhiam seus autores preferidos como argumentavam sobre suas escolhas com os amigos de classe. João Augusto do 7° ano afirmou que livro de ficção é o melhor, enquanto Luana Sales do 6°ano garantiu que o de jogos é mais divertido.

Para Luis Henrique Loures, professor de história, esta interação durante o passeio foi fundamental: “O ambiente oportunizou o conhecimento de vários títulos entre eles e instigou também a curiosidade pela leitura, que, futuramente, pode levá-los ao prazer por ler, caso ainda não tenham”.

Quando incentivamos nossos alunos a irem à uma Bienal do Livro, a manuseá-lo e a ter contato com autores, estamos incentivando o senso crítico, já que, através da internet, recebem os conteúdos prontos: “A internet é uma ferramenta da educação e não a base. Através do nosso sistema de ensino, a Rede Ser, priorizamos a formação leitora, uma leitura com visão de mundo”, concluiu Marcelle Larcher, Assessora Psico-Pedagógica Institucional.

Sem comentários

Deixe um comentário