7 dicas para garantir a aprovação na 2ª fase da OAB

7 dicas para 2ª Fase da OABNo dia 29 de maio, bacharéis em direito e estudantes a partir do 9º período, aprovados na 1ª fase do XIX Exame da OAB, irão realizar a 2ª etapa da prova.  Segundo dados da FGV, instituição responsável em realizar o exame, o índice de aprovação na 2ª fase é de em média 50,5%. Por isso, é necessário que o candidato tenha uma preparação mais sólida.

Nesta fase, que é considerada extremamente técnica e exige do examinando um raciocínio jurídico, ele irá realizar quatro questões discursivas e uma peça profissional, que dizem respeito à área escolhida pelo candidato. As opções de disciplinas são Direito Civil, Direito Tributário, Direito Penal, Direito Empresarial, Direito do Trabalho, Direito Constitucional e Direito Administrativo.

A advogada, especialista em Direito Empresarial e Econômico  e professora das Faculdades Integradas Vianna Júnior e do curso Veritas, Fernanda Maria do Reis, explica que cada questão discursiva deve ser respondida em, no máximo, 30 linhas. Já para a redação da peça o candidato dispõe de 150 linhas. Ela lembra, ainda, que é preciso respeitar o espaço destinado.

Confira outras dicas para a 2ª fase do Exame de Ordem

  1. Não é suficiente responder a uma questão discursiva com um simples sim ou não e citar um artigo de lei. É preciso discorrer objetivamente a respeito, demonstrando ao examinador que você possui algum conhecimento sobre o assunto.
  2. O gerenciamento do tempo deve ser uma preocupação do candidato. Na prova de Direito do Trabalho não se deve utilizar mais que três horas para a elaboração da peça. Reservando outras duas para as questões discursivas.
  3. A advogada e professora, Fernanda Maria dos Reis, explica que é preciso identificar corretamente a peça. Feito isso o candidato deve conhecer a estrutura da peça a ser trabalhada, os seus requisitos essenciais e, finalmente, abordar de maneira fundamentada todos os pontos cobrados pelo examinador. Em algumas disciplinas as peças se repetem, como ocorre na área de Direito do Trabalho. Dessa forma o candidato deve dominar a redação das peças mais cobradas na disciplina escolhida.
  4. O candidato deve estar atento para não identificar sua peça, seja com sua assinatura, com a invenção de dados não informados no problema ou sinais que possam individualizar sua prova. Esse cuidado deve ser tomado também nas respostas às questões discursivas.
  5. Uma prova bem escrita é característica recorrente entre os candidatos aprovados. O examinando deve ser bastante caprichoso com a sua letra, para a necessidade de que a prova seja “limpa” e organizada e visualmente agradável, de modo a facilitar a leitura do examinador.
  6. A especialista também explica que a consulta à legislação é permitida. E esse é um grande facilitador para o candidato, especialmente, para aquele que ao longo do período de preparação se preocupou em aprender a manusear o material que será utilizado no dia do exame. O examinando irá localizar os dispositivos legais e as súmulas dos Tribunais com maior rapidez. Além disso, o domínio do índice remissivo pode colaborar para que ele não seja prejudicado pelo eventual desconhecimento de algum ponto cobrado na peça ou nas questões.
  7. Procure estar tranquilo no dia do exame. O emocional é fator determinante para o êxito do candidato, sobretudo por se tratar de uma prova extremamente técnica.

Sem comentários

Deixe um comentário